Trabalho: Metas abusivas podem gerar dano moral?

É do interesse do empregador que os empregados sejam produtivos no trabalho. Nesse sentido, as empresas têm o poder de, por um lado, estabelecer expectativas a serem atendidas e, por outro, monitorar se essas expectativas estão sendo atendidas.

O cumprimento dessas expectativas pode ser verificado de várias maneiras. Uma delas é o estabelecimento de metas individualmente, de cada trabalhador e coletivamente.

A política de metas de produtividade dos funcionários não é nova e tem se espalhado para um número crescente de instituições, presentes em diversas empresas, instituições financeiras e até instituições públicas. Essas metas seguem uma lógica de produção pós-fordista e visam garantir o desempenho máximo dos funcionários e minimizar o tempo de inatividade.

Metas de trabalho abusivas

Entende-se que todo funcionário deve atender a um limite mínimo de produtividade, caso contrário, seu desempenho será considerado abaixo do ideal e seu trabalho estará ameaçado. O que se tem observado, no entanto, é que esse nível mínimo está aumentando constantemente. Os objetivos estão se tornando mais ambiciosos e exigentes, e os funcionários estão sob pressão cada vez maior para alcançá-los.

Atingiu o objetivo e a exigência de alcançá-lo representa uma distração no ambiente de trabalho, aumentando a tensão e o estresse vivenciado pelo trabalhador. Esta realidade é ainda mais acentuada no ambiente bancário.

Saúde mental

No entanto, as cobranças são limitadas e não devem causar sofrimento mental ao trabalhador, como ansiedade indevida ou constrangimento em relação a terceiros. Afinal, o esgotamento, o aumento da jornada de trabalho, a imposição de metas abusivas e a falta de reconhecimento e autonomia no ambiente de trabalho são algumas das causas do absenteísmo relacionado à saúde mental.

Os distúrbios associados ao ambiente de trabalho são caracterizados por sintomas relacionados ao cotidiano do trabalho, envolvendo o ambiente e qualquer tema relacionado ao trabalho. Quando as pessoas precisam sair para trabalhar, muitas vezes sentem ansiedade e pânico, ou seu coração dispara quando falam sobre seu chefe ou alguma situação relacionada ao trabalho.

Portanto, o primeiro passo é formular metas claramente alcançáveis ​​para as regras. Além disso, as cobranças devem ser feitas sempre de forma respeitosa e não devem causar humilhação ou constrangimento ao trabalhador.

O não cumprimento das metas criará naturalmente alguma frustração entre os funcionários, mas isso não deve ser agravado por uma atitude ofensiva por parte do empregador.

Além disso, evite estabelecer metas com muita frequência, o que pode causar ansiedade entre os trabalhadores e criar uma atmosfera de intimidação. Da mesma forma, cobranças não devem vir acompanhadas de ameaças, como desemprego.

Em suma, a cobrança de metas deve sempre respeitar a dignidade dos trabalhadores. Caso isso não ocorra, como se a conduta do empregador não condizesse com o exemplo acima, poderá ser caracterizado como assédio moral, cabendo à empresa indenizar pelo dano mental do trabalhador.

ultimas noticias: